Tomazzoni Contabilidade

News

Fundo via Banrisul e Sebrae já liberou R$ 67,3 milhões a pequenos empreendedores

Resultado de um acordo firmado entre o Banrisul e o Sebrae RS, ainda em dezembro de 2021, o Fundo de Aval às Micro e Pequenas Empresas (Fampe) oportuniza aos empreendedores financiamentos e capacitações que incentivam o desenvolvimento sustentável dos negócios. Em seis meses de operação, a linha de crédito já concedeu R$ 67,3 milhões em capital de giro para empresas de pequeno porte.

Na prática, o Fampe funciona como um avalista e pode assegurar até 80% do valor financiado, como garantia complementar às operações de crédito contratadas. Podem usufruir da linha de crédito negócios formalizados nas modalidades de Microempreendedor Individual (MEI), Microempresas (ME) e Empresas de Pequeno Porte (EPP). O convênio assinado entre as duas instituições tem ajudado no ambiente de retomada econômica, na preservação de empregos e na geração de renda.

“O Banrisul, em parceria com o Sebrae, quer contribuir para o desenvolvimento regional e para aquecer a economia, especialmente neste momento em que a retomada é crucial para o Rio Grande do Sul e para o País. Nós acreditamos no potencial dos pequenos e médios negócios. Trata-se de um movimento para garantir a manutenção de emprego e renda, especialmente nas comunidades que mais precisam”, destaca o presidente do Banco, Cláudio Coutinho.

De acordo com o diretor de Crédito do Banrisul, Osvaldo Lobo Pires, em seis meses foram 1.742 operações realizadas e mais de 1,7 mil clientes atendidos “São negócios que puderam ser ampliados ou que deixaram de fechar. Esse resultado representa um impacto social relevante e queremos avançar ao longo dos próximos meses”, avalia.

Os empreendedores interessados na linha de crédito devem fazer a solicitação diretamente na rede de agências do Banrisul. Os lLimites de financiamento são de R$ 10 mil para MEIs; R$ 75 mil para MEs e R$ 125 mil para EPPs. Os prazos de carência variam de três ou seis meses, ou até 36 meses após o período de carência.

Fonte: Jornal do Comércio