Tomazzoni Contabilidade

Month: dezembro 2018

Deputados aprovam prorrogação do ICMS

Edição impressa de 19/12/2018. Alterada em 18/12 às 21h50min

Deputados aprovam prorrogação do ICMS

Delegado Ranolfo e Otomar Vivian (à esquerda) articularam projeto com parlamentares durante a sessão

Delegado Ranolfo e Otomar Vivian (à esquerda) articularam projeto com parlamentares durante a sessão /VINICIUS REIS/AG. ALRS/JC

Marcus Meneghetti

Na última sessão de 2018, os deputados estaduais aprovaram ontem a prorrogação por dois anos do aumento do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). O projeto – encaminhado pelo governo José Ivo Sartori (MDB), a pedido do governador eleito Eduardo Leite (PSDB) – foi a primeira vitória de Leite na Assembleia Legislativa. A matéria foi aprovada por ampla maioria: 40 votos favoráveis e 10 contrários.

“Isso vai dar governabilidade ao governo. Com isso, o governador Eduardo Leite vai poder propor uma agenda de desenvolvimento para o Rio Grande do Sul. A votação expressiva dá legitimidade a isso”, comentou o futuro chefe da Casa Civil, Otomar Vivian (PP) – que acompanhou a sessão até à aprovação da matéria.

Com isso, o próximo governo vai iniciar 2019 com o mesmo patamar de ICMS que o aprovado por Sartori em setembro de 2015, para vigorar até 31 de dezembro de 2018. Isso vai evitar uma redução de R$ 2,5 bilhões na receita do Estado.

Em 2015, a alíquota básica foi elevada de 17% para 18%, e as nominais subiram até cinco pontos percentuais. Por exemplo, serviços de TV a cabo, energia elétrica e telecomunicações subiram de 25% para 30%; refrigerantes, de 18% para 20%.

A prorrogação do ICMS foi o primeiro dos 43 projetos colocados na pauta do Parlamento. Vivian, e o vice-governador, Delegado Ranolfo (PTB), permaneceram na sessão até a aprovação da matéria: circularam pelo plenário articulando tanto com os deputados de partidos aliados quanto os de oposição. Em novembro, o próprio Leite iniciou a articulação, se reunindo com todas as bancadas.

As reuniões deram resultado: o projeto foi aprovado com o voto dos 11 parlamentares do PT e os dois do PCdoB – ambos partidos de oposição ao futuro governo.

“É necessário que tenhamos a união de várias forças. Isso inclui a bancada do PT. Eles inclusive fizeram encaminhamentos ao governador Eduardo leite. Foram respondidos, apesar de nem todos terem sido atendidos. Assim como a bancada do PCdoB, que acompanhou a votação, mediante análise de uma série de sugestões que apresentaram o governador”, avaliou Vivian.

Ele se referia às cinco contrapartidas que o PT pediu para votar a favor da prorrogação do imposto. Entre elas, a exigência que Leite apresente um cronograma dizendo quando vai colocar em dia o salário dos servidores públicos, ainda no primeiro ano de governo. Em resposta aos petistas, o tucano se comprometeu com essa medida – até porque foi uma das suas propostas de campanha.

Além disso, o deputado Tarcísio Zimmermann (PT) apontou outros dois motivos que levou a bancada a votar a favor do projeto. “Primeiro, o nosso candidato ao governo do Estado, Miguel Rossetto (PT), também defendia a prorrogação das alíquotas, por pelo menos um ano. Segundo, o povo votou no Leite, mesmo com o compromisso dele em prorrogar as alíquotas”, afirmou.

A entrada do MDB e do PSB na futura base aliada, anunciadas nesta semana, também contribuíram para ampla margem de aprovação. Mesmo assim, houve dissidências entre os governistas: duas no MDB (bancada de oito parlamentares); uma no PSB (dois assentos no Parlamento); uma no PTB (seis); e uma no PP (sete).

Além disso, Any Ortiz e Pedro Ruas (PSOL) – ambos são os únicos deputados dos seus partidos – votaram contra. Ruas, cujo partido será oposição à administração do tucano, explicou seu voto. “Votei contra porque o ICMS é o imposto mais injusto que existe. Taxa da mesma maneira o leite, o pão e o perfume francês. É injusto todo imposto que usa a mesma alíquota para os produtos populares e pelos consumidos pelas classes mais abastadas. Este penaliza os pobres”, justificou.

Apesar das baixas na base governista, Vivian comemorou o resultado e se mostrou otimista com a adesão de mais parlamentares ao governo na próxima legislatura.

“Acreditamos que, na próxima Legislatura, teremos uma base com votos suficientes para aprovar mudanças na constituição do Estado”, disse – dando a entender que o tucano contará com uma base com pelo menos 33 parlamentares (quantidade de votos para aprovar propostas de emenda à Constituição.

Fonte- Jornal do Comércio

Micro e pequeno negócios serão foco do mercado de adquiriência em 2019

Postado em 10/12/2018

A venda de maquininhas ganhará força entre micro e pequenos empreendedores no próximo ano

Com a crescente competição do setor, a aposta dos players está tanto na venda de maquininhas para os MPEs como também nos investimentos em novas tecnologias e adaptação de processos

ISABELA BOLZANI • SÃO PAULO

A venda de maquininhas ganhará força entre micro e pequenos empreendedores no próximo ano. Além disso, os novos entrantes no setor de adquirência também já pressionam os grandes players por preços mais competitivos e serviços mais qualificados.

De acordo com o diretor de marketing da SumUp, Carlos Grieco, o modelo de venda de maquininhas (POS) tem crescido, não apenas entre os novos players, mas também entre os mais tradicionais do setor de adquirência.

“É um processo mais democrático, onde o empreendedor mesmo sem se formalizar consegue acesso à maquinha e a um serviço de qualidade. Por isso, o foco acontece principalmente entre os micro e pequenos negócios”, afirma o executivo.

Entre as grandes, por exemplo, a Cielo está entre as empresas que batalham para reduzir as perdas de market share trazida pela maior competição do setor.

“O mercado vive seu momento mais efervescente e a demanda só cresce. A Cielo está bastante focada em capturar o crescimento vindo dessas novas oportunidades”, disse a diretor de marketing da companhia, Duda Bastos.

A procura por novidades por parte dos clientes fez de 2018 o ano de maior número de lançamentos na história da Cielo, com uma readequação de portfólio e de ofertas.

“Lançamos três novos terminais, reestruturamos nossas ofertas e trouxemos o modelo de planos, cuja proposta é a de nos adequarmos a novos perfis de clientes. Tudo isso para que estejamos muito mais competitivos em 2019”, diz Bastos.

Para Grieco, porém, apesar das transições já vistas, manter o serviço de qualidade será um forte desafio para 2019.

“No curto prazo, navegaremos em um mar agitado de pressão sobre os preços. Mas isso não pode interferir no serviço ofertado”, completa.

Segundo o diretor da Banrisul Cartões (responsável pela Vero), Carlos Malafaia, no entanto, ainda que os produtos “atendam a todos os públicos”, os gastos da companhia “não vão deixar de existir”.

“Há um público que exige disponibilidade e qualidade na hora que a maquininha mostra algum problema na loja e quer outro produto em mãos em questão de horas. Isso requer uma estrutura de atendimento enorme e tudo tem um custo”, explica o diretor do Banrisul.

“É natural que, com a maior competição, o fator preço pese cada vez mais. Mas não é só isso que está em jogo”, afirma Bastos, reforçando a estratégia da Cielo em trazer o know how e novas tecnologias para oferecer mais “propostas de valor”.

Novas Tecnologias

Em termos de tecnologias, por outro lado, o CEO da Bela Pagamentos, Arthur Silveira, lembra a importância de adaptação em um momento de mercado cuja demanda por rapidez e agilidade continua crescente no mundo online.

“Teremos uma aceleração dessas tecnologias em 2019, porque a competição se dá por todos os lados”, diz o executivo, reforçando as fintechs como um dos principais motores desse movimento.

“O marco, por exemplo, foram os IPOs [Oferta Inicial de Ações] da Stone e da PagSeguro, não somente como a abertura oficial do mercado aos novos entrantes, mas também como prova de mudança do mercado”, acrescenta Silveira.

De acordo com a PagSeguro, o volume transacionado na companhia no primeiro semestre deste ano cresceu 120% em relação ao ano passado, chegando a mais de 3,5 milhões de vendedores ativos.

“Continuaremos focados na nossa missa de democratizar os meios de pagamentos eletrônicos e serviços financeiros no Brasil. Seguimos com boas taxas de crescimento e continuaremos focando em soluções disruptivas com taxas competitivas”, acrescentou a companhia, por meio de nota.

Seguindo a tendência de inovações, a Rede anunciou neste ano um novo modelo de atuação junto ao e-commerce, bem como a prestação de serviços especializados com a plataforma PayPal.

“O reposicionamento se apoia em três pilares: tecnologia, com uma plataforma única de produtos; pessoas, com ampliação das equipes e parceria com emissores”, afirmou o diretor da companhia, Rodrigo Carneiro, reiterando que a qualidade do serviço e a capilaridade comercial e de portfólio “continuarão a ser elementos-chave da estratégia”.

“O mercado tem passado por muitas mudanças e as empresas do setor precisam adequar suas práticas, buscando inovação, equilíbrio na guerra de preços e atendimento especializado, que respeite as particularidades de diferentes nichos”, concluiu o executivo.

Fonte: DCI – SP

MERCADO DE TRABALHO: Conheça as profissões que mais avançaram no Brasil!

Entre 2007 e 2017, as ocupações que mais ganharam espaço no mercado de trabalho estão relacionadas à saúde, educação infantil, agroindústria e tecnologia da informação

  • Publicado: Quarta, 12 de Dezembro de 2018, 19h14
  • Última atualização em Quarta, 12 de Dezembro de 2018, 19h53
imagem sem descrição.

Algumas profissões apresentaram um crescimento significativo nos últimos anos, segundo os dados da Relação Anual de Informações Sociais (Rais), do Ministério do Trabalho. As 20 ocupações que mais tiveram acréscimo na quantidade de profissionais entre 2007 e 2017 estão ligadas à saúde, educação infantil, agroindústria e tecnologia da informação.

A ocupação que mais cresceu no período analisado está relacionada ao envelhecimento da população. Os cuidadores de idosos tiveram um aumento de 547%, passando de 5.263 profissionais em 2007 para 34.051 em 2017, dos quais 85% são mulheres com o ensino médio completo. Os estados onde a atividade mais expandiu foram São Paulo, com 11.397 postos de trabalho criados no período; Minas Gerais, com 4.475 postos, e Rio Grande do Sul, com 2.288.

Segundo o ministro do Trabalho, Caio Vieira de Mello, o mercado de trabalho é muito dinâmico e os trabalhadores precisam de qualificação profissional para acompanhar as constantes mudanças provocadas pelas demandas da sociedade. “Focados nas necessidades do mercado, lançamos cursos como o Cuidando de Pessoas Idosas, que está entre os 10 cursos mais procurados na Escola do Trabalhador”, destacou o ministro. “O trabalhador qualificado é aquele que será empregado. Dado o desenvolvimento do mundo, todos precisam estar preparados para ter um futuro assegurado”, acrescentou.

O professor de nível superior na educação infantil é a segunda profissão com maior avanço nos últimos anos e registrou um aumento de 398%, saindo de 8.513 em 2007 para 42.391 trabalhadores em 2017. O maior acréscimo foi de profissionais do sexo masculino, entre 30 e 49 anos.

Os preparadores físicos ocupam a terceira posição no ranking das profissões que mais avançaram. Com um crescimento de 327%, saltou de 6.932 trabalhadores em 2007, para 20.952 em 2017. A ocupação tem maior participação masculina, na faixa etária de 25 a 39 anos.  O maior crescimento desses profissionais foram registrados em estados da região sudeste: São Paulo registrou o aumento 6.149 postos de trabalho; Rio de Janeiro, 3.374, e Minas Gerais, 2.618 postos.

Na Agroindústria, os operadores de colheitadeira cresceram cerca de 253%, um aumento de 4.282 operadores em 2007 para 15.110 em 2017. A maior parte desses trabalhadores são homens entre 25 e 49 anos, com o ensino médio completo. Dos 10.828 postos criados no período, 5.552 foram em São Paulo, 1.158 em Goiás, e 1.158 no Paraná.

Na quinta posição aparecem os analistas de informações (pesquisadores de informações de rede), com um aumento de 224%. Foram 8.991 vagas de emprego criadas 2007 e 2017.  A maioria dos analistas são homens com ensino superior completo.

Futuro do Trabalho – Em 2018, o Ministério do Trabalho criou o Comitê de Estudos Avançados sobre o Futuro do Trabalho, dedicado a estudar e propor formas de preservação do emprego diante dos desafios dos novos tempos. Profissões com tendência de extinção e áreas de trabalho em expansão estão entre os temas discutidos pelo grupo, que conta com representantes do governo, do judiciário, das entidades representativas de classe e sindicais e do meio acadêmico. O comitê realizou, ao longo deste ano, reuniões em Brasília, audiências públicas em capitais do país e a coleta de sugestões em uma consulta pública realizada pela internet. Os resultados desse trabalho serão apresentados pelo ministro do Trabalho, Caio Vieira de Mello, em Brasília, no dia 20 de dezembro.

Fonte: Ministério do Trabalho

Empresas do 2º grupo do eSocial têm até o fim deste mês para cadastrar trabalhadores

A estimativa é que, ao final dessa etapa, 70% dos trabalhadores do País já estejam registrados no eSocial.
Publicado em 14/12/2018 12h29 última modificação: 14/12/2018 12h29
As empresas de médio porte definidas como 2º grupo, cujo faturamento ficou entre R$ 4,8 milhões e R$ 78 milhões e que não sejam optantes pelo Simples Nacional, iniciaram em julho de 2018 o envio de dados pelo eSocial e terão até o fim deste mês para concluir o cadastro dos trabalhadores. Espera-se que, ao fim dessa etapa, 70% dos trabalhadores do País já estejam registrados no eSocial.

A partir de janeiro essas empresas deverão incluir informações referentes às suas folhas de pagamento no sistema, os chamados eventos periódicos.

Confira abaixo o cronograma de implantação do eSocial.

Fonte: Portalsocial.gov

Placa padrão Mercosul entrou em vigor no Rio Grande do Sul nesta terça-feira

Publicação:

Placa padrão Mercosul entra em vigor no Rio Grande do Sul nesta terça-feira
Placa padrão Mercosul entra em vigor no Rio Grande do Sul nesta terça-feira – Foto: Douglas Mafra_DetranRS

A partir desta terça-feira (18), veículos novos, veículos que fizerem transferência de município ou de propriedade, veículos em mudança de categoria; e outros casos que exigem substituição (furtos, avarias) já terão a nova placa padrão Mercosul no Estado. A troca da placa não é necessária para os demais veículos, que não tem data limite para adotar o novo modelo.

Um piloto na manhã desta segunda-feira (17), acompanhado pela área técnica do DetranRS em três CRVAs do Estado, testou a instalação da nova placa, fazendo processos de novo emplacamento, transferência de propriedade e transferência de UF. A primeira placa Mercosul instalada é de um HB20 de Porto Alegre que trocou de dono.

Como fazer

A partir do dia 18, a compra da placa é feita com as estampadoras credenciadas ao Denatran, homologadas pelo Serpro e cadastradas no DetranRS. A lista das estampadoras aptas a trabalhar no Rio Grande do Sul pode ser conferida em www.detran.rs.gov.br> Veículos > Placas padrão Mercosul. O preço da placa não é determinado pelo DetranRS, mas regulado pelo mercado.

O procedimento para emplacamento sempre começa e termina no CRVA. Com a autorização para confecção da placa em mãos, o proprietário do veículo ou o seu representante legal deve procurar uma das empresas estampadoras e solicitar a placa. Depois, com a placa em mãos, o proprietário do veículo volta ao CRVA para fazer a colocação da placa no veículo e a autorização para expedição do documento. 

Placa padrão Mercosul

A mudança para as placas padrão Mercosul atende a Resolução Mercosul n. 33/14, que criou o modelo único das placas para os países do bloco e está regulamentada nas resoluções 729, 733, 741, 745 e 748 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran).

Fonte: Detran RS