Tomazzoni Contabilidade

Month: agosto 2018

Dia das Crianças!

Prezados Clientes !

 O Mês das Crianças esta se aproximando, e a Família Tomazzoni Contabilidade, tem um propósito para este Outubro doce e cheio de esperanças que é alegrar o dia destas crianças. Estamos realizando a Campanha de Arrecadação de Brinquedos e Material Escolar, disponibilizamos uma caixa de coleta na recepção do escritório. Lembramos que os brinquedos podem ser novos ou usados (em bom estado).

 CONTRIBUA, FAÇA O BEM, COM SUA DOAÇÃO DAREMOS UM SHOW DE SOLIDARIEDADE, PROPORCIONANDO A ALEGRIA DE 300 CRIANÇAS QUE TEM TÃO POUCO!

 

Período da Campanha de  02 de Agosto a 30 de Setembro.

 

 

 

Aposentados começam a receber 1ª parcela do décimo terceiro

Aposentados e pensionistas começam a receber nesta segunda-feira (27) a antecipação da primeira parcela do décimo terceiro. De acordo com a Secretaria de Previdência, o depósito será feito junto com a folha mensal de pagamentos do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) até 10 de setembro, conforme a Tabela de Pagamentos de Benefícios 2018.

A estimativa é de que essa antecipação injete na economia do país R$ 20,7 bilhões em agosto e setembro. Segundo o INSS, 29,7 milhões de beneficiários terão direito a receber a primeira parcela do abono anual, que corresponde à metade do valor do benefício.
A exceção é para quem passou a receber o benefício depois de janeiro de 2018. Nesse caso, o valor será calculado proporcionalmente.

Não haverá desconto de Imposto de Renda nesta primeira parcela. O tributo será cobrado apenas em novembro e dezembro, quando for paga a segunda parcela.

Tem direito ao décimo terceiro quem, durante o ano, recebeu benefício previdenciário de aposentadoria, pensão por morte, auxílio-doença, auxílio-acidente, auxílio-reclusão ou salário-maternidade.

Aqueles que recebem benefícios assistenciais, como Prestação Continuada e Renda Mensal Vitalícia, não têm direito ao abono anual.

Desde 2006, o governo antecipa a primeira parcela do décimo terceiro dos aposentados e pensionistas na folha de agosto.

Somente em 2015, o pagamento foi adiado para setembro, por causa do ritmo fraco da economia e da queda da arrecadação.

 

Fonte: Agencia Brasil

Mercado eleva estimativa de inflação e reduz projeção do PIB este ano

Informação consta no boletim Focus do Banco Central

Instituições financeiras consultadas pelo Banco Central (BC) aumentaram as estimativas para a inflação neste ano e em 2019. A informação consta do boletim Focus, publicação elaborada semanalmente pelo BC, com projeções de instituições financeiras para os principais indicadores econômicos. Por outro lado, a projeção de expansão do Produto Interno Bruto (PIB) – soma de todos os bens e serviços produzidos no país – foi reduzida de 1,49% para 1,47% neste ano.

A estimativa para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) passou de 4,15% para 4,17%, neste ano. Para 2019, a projeção subiu de 4,10% para 4,12%. Para 2020, a estimativa segue em 4% e, para 2021, foi ajustada de 3,90% para 3,92%.

Para 2018 e 2019, as estimativas estão abaixo do centro da meta que deve ser perseguida pelo BC. Neste ano, o centro da meta é 4,5%, com limite inferior de 3% e superior de 6%. Para 2019, a meta é 4,25%, com intervalo de tolerância entre 2,75% e 5,75%. Para 2020, a meta é 4% e 2021, 3,75%, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para os dois anos (2,5% a 5,5% e 2,25% a 5,25%, respectivamente).

Para alcançar a meta de inflação, o BC usa como instrumento a taxa básica de juros, a Selic, atualmente em 6,5% ao ano.

De acordo com as instituições financeiras, a Selic deve permanecer em 6,5% ao ano até o final de 2018. Para 2019, a expectativa é de aumento da taxa básica, terminando o período em 8% ao ano.

Quando o Comitê de Política Monetária (Copom) aumenta a Selic, o objetivo é conter a demanda aquecida, e isso causa reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.

Quando o Copom diminui a Selic, a tendência é de que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle da inflação.

A manutenção da taxa básica de juros, como prevê o mercado financeiro neste ano, indica que o Copom considera as alterações anteriores suficientes para chegar à meta de inflação.

Atividade econômica

A projeção para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) – a soma de todos os bens e serviços produzidos no país – foi reduzida de 1,49% para 1,47% neste ano. Para 2019, 2020 e 2021, a estimativa para o crescimento do PIB segue em 2,5%.

A previsão do mercado financeiro para a cotação do dólar subiu de R$ 3,70 para R$ 3,75 no final deste ano e permanece R$ 3,70 no fim de 2019.

FONTE : http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2018-08/mercado-eleva-estimativa-de-inflacao-e-reduz-projecao-do-pib-este-ano

Convênio quer desburocratizar a abertura de negócios

A Junta Comercial, Industrial e Serviços do Rio Grande do Sul (Jucis-RS) e mais sete órgãos de registro do País assinaram, na semana passada, em Brasília, o convênio da RedeSimples Digital. A meta é desburocratizar a abertura de novos negócios e garantir mais celeridade e legalidade, por meio da automatização dos processos de registro e legalização de empresas. Atualmente, o período necessário para colocar uma empresa em funcionamento no Brasil pode chegar até 102 dias. Com a alteração no sistema de registro, isso passa a ocorrer em questão de minutos. Segundo nota da Jucis-RS, as juntas de Minas Gerais, Ceará, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Acre, Roraima, Distrito Federal e Rio Grande do Sul já operam com uma plataforma que faz o registro digital, o que reduziu grande volume de documentos para a abertura de um pequeno negócio. Conforme o presidente da Jucis-RS, Itacir Amauri Flores, com o processo de modernização da autarquia foi possível desburocratizar a abertura de empresas. O acordo prevê que os tipos jurídicos Empresa Individual de Responsabilidade Ltda. – Eireli -, Sociedade Ltda. e Empresário sejam abertos quase que de forma instantânea, sem a necessidade da análise técnica humana, fazendo tudo pelo sistema digital desde que dentro dos modelos disponíveis no Portal de Serviços da Jucis-RS. Para o presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos, a assinatura do convênio é mais um passo para acabar com a burocracia que atrapalha os pequenos negócios. Afif explicou que com a digitalização das juntas comerciais, quem ganha são os empreendedores, que têm seu processo desburocratizado de abertura de empresas de micro e pequeno porte, gerando mais emprego e renda no País. –

 

Jornal do Comércio (https://www.jornaldocomercio.com/_conteudo/cadernos/jc_contabilidade/2018/08/644234-convenio-quer-desburocratizar-a-abertura-de-negocios.html)

 

PGBL e VGBL: Previdência Privada

Você sabia que escolher errado entre PGBL e VGBL pode acarretar em mais impostos?

PGBL e VGBL? O que são? Qual o melhor plano de previdência privada para mim? Essas são as dúvidas que passam pela cabeça de toda pessoa que está fazendo o planejamento de sua aposentadoria.

Essa escolha consiste na definição da estratégia tributária que você vai escolher para o seu plano de previdência privada. E é fundamental que você entenda isso.

Como dito na pergunta acima, cada um desses modos é indicado para uma pessoa e se escolher errado, pode ter que pagar mais impostos do que o devido (e eles já são muitos).

Neste texto, vamos explicar:

  • O que é PGBL e VGBL
  • Diferenças entre PGBL e VGBL
  • Vantagens e desvantagens da previdência privada
  • Como escolher a melhor estratégia tributária para a sua aposentadoria privada
  • Taxas da previdência privada
  • Vale a pena investir em VGBL
  • Regime de tributação progressivo
  • Imposto sobre previdência privada: Como declarar PGBL ou VGBL
  • Quanto rende uma previdência privada

 

Introdução – Previdência Privada no Brasil

Planejar o futuro é o que diferenciará idosos com independência financeira dos outros.

O número de idosos no Brasil cresce todos os anos. Segundo o IBGE, em 2060, teremos mais de 19 milhões de brasileiros com 80 anos ou mais. Essa alta é resultado da melhoria da esperança de vida.

Em 1980, para você ter ideia, a expectativa de vida era de 62,58 anos. A projeção para 2060 é de 81,2 anos.

E sabia que apenas 1% dos aposentados conseguem se manter financeiramente depois do término do seu ciclo de trabalho? Esse também é um dado do IBGE. Você precisa pensar na sua aposentadoria hoje para evitar essa realidade!

Ou seja, vamos viver muito mais e por isso, é preciso planejar a sua aposentadoria para poder parar de trabalhar cedo com tranquilidade e bom patrimônio.

Como você deve saber, a tendência é que a previdência social seja ajustada com o passar do tempo (entenda tudo sobre isso aqui). Afinal, a taxa de natalidade está em tendência de queda enquanto a de expectativa de vida está em franco crescimento.

Ou seja, a conta não está fechando. Segundo o IBGE, o Brasil terá dois aposentados para cada contribuinte em 2050. Ou seja, a tendência é que a reforma aconteça mais cedo ou mais tarde.

Assim, você deve se perguntar: eu estou seguro e confiante para deixar o Governo decidir o meu futuro? Se você respondeu não para a questão, está na hora de adotar um bom planejamento financeiro que inclua uma previdência privada.

A nossa recomendação é que você tome as rédeas da sua aposentadoria. É possível fazer isso em paralelo ao benefício público, tendo duas aposentadorias. Uma do INSS e outra privada, aproveitando assim o melhor dos dois modos.

Como Funciona a Previdência privada

 

Ela funciona exatamente como um investimento. Você aplica para depois usufruir.

Antes de entender PGBL e VGBL, é preciso compreender como funciona a previdência privada. Ela é dividida em duas fases gerais: a primeira, e mais importante, é de acumulação. 

Nessa fase, você ainda estará em um período produtivo de trabalho. E deve aprender a aplicar uma parcela de sua renda mensal, muitos optam por cerca 10%, para a sua aposentadoria.

A segunda fase, obviamente, é a de benefício, que é quando você para de contribuir e passa a usufruir do seu patrimônio acumulado ao longo dos anos de trabalho.

Nesse momento, você precisa decidir se vai optar por uma renda vitalícia mensal, mensalidades por um período de tempo determinado ou se prefere sacar o valor total.

Se for uma boa quantia de dinheiro, você pode aplicar em um investimento com juros mensais para resgatar sua rentabilidade, transformando o saque total em uma renda mensal por meio de novos investimentos.

Para saber mais ou menos quanto é o ideal para você se manter, basta ter em mente quanto você precisa hoje para viver com uma margem para novos custos como remédios e plano de saúde.

Os produtos de previdência privada possuem características variadas. Desde a gestão do dinheiro a outros aspectos.

Funciona de forma muito parecida aos fundospossuindo gestores, carteira de ativos, taxa de administração e assim por diante.

Os produtos de previdência privada estão enquadrados junto aos seguros do ponto de vista legal. Assim, são regulados pela SUSEP.

Em razão disso, os impostos têm suas especificidades e, caso o titular venha a óbito, a transmissão do patrimônio também é diferente do que seria um fundo.

Dessa forma, dentro dos bancos, as previdências são oferecidas pelos departamentos de seguros e não por uma equipe de investimentos.

Então, de forma resumida, este é um produto de seguridade cujo capital é gerido como um fundo de investimentos.

Na prática: é um ambiente onde você aplica o dinheiro para resgatá-lo no futuro, complementando sua aposentadoria, sendo que, lá na frente, você vai poder optar como vai usar o benefício.

Vantagens e Desvantagens de Fazer Previdência Privada

A previdência social possui muitas diferenças da previdência social. Conheça algumas.

A diferença da previdência privada e da social (INSS), é que, na primeira, você pode sacar o dinheiro a qualquer momento (assumindo possíveis perdas) e tudo o que você aplicar é seu, somado aos juros.

Lembrando que o INSS possui um teto de pagamento, passando dele em contribuição, você literalmente perde a diferença. Além disso, ninguém pode mexer no dinheiro antes de se aposentar, quando receberá o benefício mensal.

Nesse sentido, existe muito mais liberdade em utilizar a previdência privada. No entanto, não é recomendado abrir mão do INSS. Ele garante uma série de benefícios adicionais que não existem na privada, como por exemplo:

  • Aposentadoria por invalidez
  • Auxílio-doença
  • Auxílio-acidente
  • Auxílio-reclusão
  • Pensão por morte
  • Salário-família
  • Salário-maternidade

Dessa forma, é indicado que você contribua para o INSS como qualquer trabalhador, mas em paralelo, invista em uma previdência privada para garantir um bom controle para ter um futuro tranquilo e próspero.

PGBL e VGBL: Quais São As Diferenças?

 

O principal fator para escolha entre PGBL e VGBL deve ser a forma que você contribui com o Imposto de Renda.

PGBL e VGBL, ou, Plano Gerador de Benefício Livre e Vida Gerador de Benefício Livre, são termos comuns que geram dúvidas a todo indivíduo que busca planejar o seu futuro. Entenda as principais diferenças a seguir:

PGBL

É um plano de previdência que permite vantagens fiscais na declaração do Imposto de Renda. Essa é sua principal característica: dedução da contribuição do Imposto de Renda anual.

Assim, ele é ideal para quem é optante da declaração de ajuste anual com formulário completo.

O modelo completo de IR é recomendado para pessoas que têm mais despesas que o normal para deduzir. Elas são gastos com plano de saúde, educação, dependentes e etc.

A conta resumida é: se a soma total das suas deduções passar do limite de R$ 16.754,34 do modelo simplificado, então a melhor opção é fazer a declaração completa.

Mas não se engane, você não será isento de Imposto de Renda. No final do período de acumulação, o imposto será recolhido sobre o montante total acumulado com o passar dos anos. Ou seja, contribuições mais o rendimento.

A vantagem disso é que os seus rendimentos serão também sobre o valor que seria pago ao IR, aumentando sua rentabilidade até o fim do período.

Além disso, o PGBL é recomendado para pessoas que querem contribuir com até 12% de sua renda anual. Não é recomendado passar disso em PGBL. Veja uma simulação sobre a economia de Imposto de Renda.

Sem PGBL Com PGBL
Renda bruta anual R$ 100.000 R$ 100.000
Contribuição dedutível (12% da renda) R$ 12.000
Nova base de cálculo R$ 100.000 R$ 88.000
Alíquota 27,5% 27,5%
Imposto a pagar sem dedução R$ 27.500 R$ 24.200
Parcela a deduzir R$ 10.432,32 R$ 10.432,32
Total a pagar R$ 17.067,68 R$ 13.767,68
Diferença entre os planos R$ 3.300

Nesse caso, vale mais a pena o PGBL em vez do VGBL. Mas lembre-se é preciso ser optante da declaração completa e possuir vínculo com o Regime Geral da Previdência social.

VGBL

Descubra agora se para você vale a pena investir em VGBL.

Enquanto o PGBL é indicado para quem é optante do modelo completo de declaração do imposto de renda, o VGBL é indicado para quem permanece no modelo simplificado, ou seja, quem possui menos deduções a fazer do IR.

Diferente do PGBL, esse plano possui o recolhimento apenas sobre a rentabilidade do patrimônio, e não sobre o todo. Essa incidência ocorre apenas uma vez, no momento do resgate do VGBL.

Além disso, no VGBL não existem limites sobre a sua contribuição. É possível ultrapassar o valor de 12% da sua renda e ter um benefício proporcional.

PGBL e VGBL

Ainda é possível combinar ambas as previdências privadas, unindo o melhor das duas opções.

Por exemplo, contribuindo com 12% da sua renda no PGBL e garantindo um bom abatimento anual do Imposto de Renda e 5% ou quanto você quiser no VGBL.

Dessa forma, você garantirá um patrimônio ainda maior com o passar dos anos. E caso você já esteja em um desses planos, é possível fazer a portabilidade de forma simples, mudando a característica dele.

4 passos para contratar uma previdência privada

É mais simples do que você imagina ter uma aposentadoria complementar privada. Ela consiste em quatro passos e você já sabe tudo o que precisa para o primeiro. Entenda o passo a passo para se aposentar com mais tranquilidade:

  1. Escolha o tipo de plano (PGBL e VGBL)
  2. Defina o tipo de tributação do plano (progressiva ou regressiva)
  3. Selecione um fundo adequado ao seu perfil
  4. Compare os custo e rentabilidades dos planos de aposentadoria

Regime de tributação progressivo ou regressivo?

Veja como cada regime de tributação VGBL e PGBL pode impactar na evolução de um plano de previdência. 

Existem duas formas de tributação dentro da previdência privada. Qual será a melhor para você? Em resumo, a tributação regressiva é vinculado ao tempo de aplicação.

Quanto mais tempo, menos imposto será recolhido no resgate total ou recebimento da renda mensal. Veja como funciona a tabela regressiva retirada do site da Receita Federal.

Tempo de contribuição Alíquota %
Até 2 anos 35
De 2 a 4 anos 30
De 4 a 6 anos 25
De 6 a 8 anos 20
De 8 a 10 anos 15
Acima de 10 anos 10

A outra opção é o regime de tributação progressivo. O que determinará o recolhimento será a quantia a ser resgatada ou transformada em renda. Quanto maior ela for, maior será a alíquota.

Esse tipo de regime é mais indicado para pessoas que não têm a projeção de manter a aplicação por longos períodos de tempo.

Base de cáculo anual em R$ Base de cáculo mensal em R$ Alíquota %
Até 22.847,76 Até 1.903,98 Isento
De 22.847,88 até 33.919,80 De 1.903,99 a 2.826,65 7,5%
De 33.919,92 até 45.012,60 De 2.826,66 a 3.751,05 15%
De 45.012,72 até 55.976,16 De 3.751,06 a 4.664,68  22,5%
Acima de 55.976,16  Acima de 4.664,68  27,5%

Caso você planeje manter a sua aplicação por mais de 10 anos, como normalmente deve ser em um planejamento de aposentadoria, é mais indicado que escolha o modelo regressivo, pois assim você pagará menos imposto.

FONTE:  https://blog.rico.com.vc/pgbl-vgbl-previdencia-privada

CANCELAMENTO DE NOTA FISCAL DE SERVIÇO ELETRÔNICA

Prezado cliente emitente de nota fiscal de serviço eletrônica, fique atento ao prazo para cancelamento de notas, a NFS-e deve ser cancelada dentro do mês de sua emissão! O sistema não bloqueia o cancelamento realizado até o dia 15 do mês subsequente, todavia, cancelamentos realizados entre o dia 1º e o dia 15 do mês subsequente, ficam sujeitos a penalidades!
Embasamento legal: Art.12 do Decreto 17.920

Com a implantação do E-social, as empresas terão que se adaptar as mudanças exigidas pelo governo

Estaremos informando ao passar do tempo tópicos com as principais mudanças as quais são exigidas e que o seu não cumprimento acarretará em multas para a empresa.

  • Fechamento folha no último dia do mês

Conforme determina a legislação, a partir da folha competência 08/2018, o fechamento do ponto terá que ser obrigatoriamente no último dia do Mês, portanto 31/08/2018

Nos enviem as informações da folha no próximo dia útil ao encerramento do ponto, precisaremos de 48 horas úteis para o fechamento da folha da empresa.

Tudo o que ocorrer durante o mês devem ter fechamento no último dia, e deve ser lançado naquele mês por exemplo: atestados, comissões, faltas, descontos, etc..

Não será mais possível que a empresa faça o pagamento dos salários no dia 01 de cada mês.

O prazo limite para o pagamento é o quinto dia útil do mês seguinte.

  • Alterações Contrato de Trabalho

  • Multa por informação incompleta, inexata ou em atraso: R$ 402,54 :

Informar ao ESCRITÓRIO com, no mínimo, antecedência de 2 (dois) dias, antes do início do evento de alteração:

  • alterações de cargo ou função,
  • alterações de horários
  • FÉRIAS:    

MULTA: a partir de R$ 170,00.

  • Devem ser avisadas ao funcionário com 30(trinta) dias de antecedência, no mínimo;
  • Se autorizadas pelo funcionário, podem ser fracionadas em até 3 (três) períodos, sendo que um deles não poderá ser inferior a 14 (quatorze) dias e os outros dois períodos não poderão ser inferiores a 5 (cinco) dias (salvo convenção coletiva);
  • As férias não podem começar dois dias que antecedem feriados ou dia de descanso na semana;
  • Devem ser pagas até 2 (dois) dias antes do início do gozo;
  • Não é permitida a antecipação de férias, exceto se coletivas;
  • Informar ao ESCRITÓRIO o aviso de férias com, no mínimo, 2 (dois) dias de antecedência, portanto 32 dias antes da concessão ao funcionário, pois somos obrigados a informar no e-social pelo menos com 24 horas de antecedência o aviso das férias.

PIS/Pasep: Pagamento começa hoje para não-correntistas da Caixa e BB

PIS/Pasep: Pagamento começa hoje para não-correntistas da Caixa e BB

O pagamento das cotas do PIS/Pasep para trabalhadores de qualquer idade será retomado hoje para não correntistas da Caixa Econômica Federal e do Banco do Brasil. Cerca de 17,5 milhões de pessoas poderão sacar o benefício a partir desta terça-feira. Correntistas dos dois bancos receberam o dinheiro diretamente em suas contas no último dia 8.

O pagamento prosseguirá até 28 de setembro, quando se encerra o prazo para sacar a cota do PIS/Pasep dentro das regras definidas pelo governo. Após essa data, volta a valer a regra anterior, que libera o pagamento para maiores de 60 anos e outras situações, como aposentadoria, invalidez e doenças graves.

Para sacar o benefício, basta levar ao banco um documento de identificação ou o número de registro do PIS/Pasep e consultar na hora o valor a que tem direito. Os pagamentos são feitos pela Caixa, no caso de trabalhadores da iniciativa privada, e Banco do Brasil, para funcionários do setor público.

Têm direito ao benefício 23,8 milhões de pessoas que trabalharam com registro em carteira entre os anos de 1971 e 1988. Nesse período, os empregadores recolhiam recursos do PIS/Pasep em nome de seus funcionários, como ocorre atualmente com o FGTS.  O depósito deixou de ser feito a partir da Constituição de 1988, mas o dinheiro ficou depositado nos bancos em nome dos trabalhadores, que podiam retirar apenas os rendimentos uma vez por ano. O saque só era possível a partir de 70 anos ou em outras situações, como doenças graves e aposentadoria. Neste ano, o governo reduziu a idade para 60 anos e há dois meses permitiu o saque para para qualquer idade no período entre junho e 28 de setembro.

A expectativa do governo é que 16 milhões de pessoas, com idade inferior a 60 anos, possam sacar até 16 bilhões de reais do PIS/Pasep até o fim do calendário. Na primeira etapa, encerrada em 29 de junho, 4,8 milhões de cotistas sacaram o benefício, totalizando R$ 6,6 bilhões.

Pagamento na Caixa

O pagamento do PIS é feito pela Caixa para trabalhadores da iniciativa privada. Dos 16,1 milhões de cotistas com idade abaixo de 60 anos que podem passar a sacar o PIS, 13,7 milhões receberão 13,8 bilhões de reais pela Caixa.

Os pagamentos das cotas do PIS de até R$ 1.500 podem ser realizados no autoatendimento da Caixa apenas com a Senha Cidadão, sem a necessidade do Cartão do Cidadão. Também será possível sacar até esse valor nas lotéricas e correspondentes bancários com Cartão e Senha do Cidadão e apresentação de documento oficial de identificação com foto.

Saques de valores até R$ 3.000 poderão ser feitos no autoatendimento da Caixa, lotéricas e correspondentes com Cartão e Senha Cidadão e documento oficial de identificação com foto. Saques acima de R$ 3.000 só poderão ser feitos nas agências, com documento oficial.

Pagamento no BB

O Pasep é pago pelo Banco do Brasil para cotistas do setor público. Cotistas do Pasep que não forem correntistas do BB poderão transferir saldos de até R$ 2.500 para outra conta de sua titularidade sem custo. A transferência via TED poderá ser feita nos terminais de autoatendimento ou pela internet (www.bb.com.br/pasep). Saques acima desse valor de não correntistas deverão ser feitos na agência com apresentação de documento oficial de identificação.

Fonte: PIS/Pasep: Pagamento começa hoje para não-correntistas da Caixa e BB